O craque argentino Lionel Messi não compareceu, nesta segunda-feira (31), ao primeiro treino do Barcelona da nova temporada, dias após anunciar que deseja deixar a equipe catalã.


A ausência de Messi no treino, o primeiro sob o comando do novo técnico do Barcelona, o holandês Ronald Koeman, era muito esperada após o argentino de 33 anos também não comparecer aos exames médicos de pré-temporada no último domingo (30). 


Imagens da Reuters mostraram jogadores chegando para o treino que começou às 17h30 (14h30, no horário de Brasília), e Messi não apareceu. 


O jogador, que foi eleito em seis oportunidades como o melhor do mundo, afirma que tem uma cláusula em seu contrato que lhe permite sair sem o pagamento de multa rescisória, reivindicação contestada pelo Barcelona e pela La Liga (entidade que administra o Campeonato Espanhol). 

Os advogados de Messi pretendem invocar uma cláusula do seu contrato de quatro anos, assinado em 2017, que permitiria ao atacante deixar o clube gratuitamente ao final da temporada, que seria no dia 10 de junho. 

Eles argumentam que a data (na qual terminaria a temporada europeia) é irrelevante após a pandemia do novo coronavírus (covid-19), que forçou a temporada do Campeonato Espanhol terminar apenas em agosto. 

No entanto, a La Liga afirmou no último no domingo que o clube que quiser contratar o craque argentino terá que pagar uma multa rescisória de 700 milhões de euros. 

Messi tomou esta decisão após a equipe catalã terminar a última temporada sem a conquista de nenhum título na temporada. O ponto mais baixo foi a humilhante derrota de 8 a 2 para o Bayern de Munique nas quartas de final da Liga dos Campeões. 

Os torcedores que estavam do lado de fora do campo de treinamento do Barça nesta segunda-feira ficaram divididos em relação à decisão de Messi. 

Eu realmente quero que Messi fique”, disse o brasileiro Fabio Alfredo Suarez à Reuters. “Messi mora no meu coração. É uma pena que ele vá embora, queria que ele saísse pela porta da frente do clube.” 

Já o espanhol Ivan Antolin Beltran afirmou que o Barça ajudou Messi nos primeiros passos de sua carreira: “Depois de tudo o que o Barça deu ao Messi ao longo da carreira, que começou aqui ainda criança. Pagaram todos os medicamentos para ele, e tudo mais. Acho seu comportamento um pouco incorreto”, declarou.

AGÊNCIA BRASIL
REDAÇÃO TRIBUNA DO DF